Área que permite a realização de uma consulta à distância com recurso, de forma extensa, às Tecnologias de Informação e Comunicação disponíveis (videoconferência, e-mail, SMS, entre outros). As teleconsultas podem ser operacionalizadas de forma assíncrona, store-and-forward (por exemplo, uso de e-mail e/ou sistema dedicado a especialidade), ou de modo síncrono, utilizando tecnologias de videoconferência ou quaisquer outras em tempo real.
Fontes: Teleconsultation and Clinical Decision Making: a Systematic Review, 2016;

Proposta de Valor

    • Proporcionar a prestação de cuidados ao cidadão sem necessidade de presença física, via tecnologias de informação e comunicação
    • Aumentar a acessibilidade, conforto e autonomia para o cidadão em termos de distância geográfica e/ou de tempo
    • Aumentar a equidade no acesso a cuidados especializados
    • Permitir a disseminação de conhecimento especializado entre profissionais de saúde
    • Potenciar a eficiência e sustentabilidade de recursos do SNS

Anexo: Teleconsulta_Norma DGS

Teleconsulta em tempo real Рconsulta fornecida por um m̩dico distante
do utente, com recurso à utilização de comunicações interativas, audiovisuais
e de dados, com a presença do doente junto de outro médico numa outra
localização e com registo obrigatório no equipamento e no processo clínico
do doente. Esta comunicação efetua -se em simultâneo (de forma síncrona);

Teleconsulta em tempo diferido (Store and forward) –  utilização de
comunicações interativas, audiovisuais e de dados em consulta médica,
recolhidos na presença do doente, sendo estes enviados para uma entidade
recetora que os avaliará e opinará em tempo posterior (forma assíncrona);